Postado por datapage - 23 de junho de 2015 21:26 | Atualizado há 4 anos

Ônibus estacionados atrapalham trânsito

Moradores de lotes vizinhos a terminal reclamam de irregularidades. Estacionamento no local impede circulação 

diario da manha

 

Divania Rodrigues,Da editoria de Cidades

Sem poder parar dentro dos terminais de transporte coletivo e sem garagem próximas, os motoristas dos ônibus fazem das ruas estacionamento. É comum ver uma fila de veículos estacionados nas ruas e avenidas nas imediações dos terminais da capital e região metropolitana. Porém, o fato muitas vezes incomoda os usuários das vias e os moradores, como é o caso dos vizinhos da Rua 236, no Setor Leste Universitário, próxima à Praça da Bíblia.

O professor Tiago Tocha, 35 anos, mora há seis anos na Rua 236 e muitas vezes não pode sair de casa com o carro porque o portão de sua garagem fica bloqueado por um ônibus. A situação inversa também ocorre: chegando em casa do trabalho não tem onde colocar o carro por causa dos veículos estacionados pela rua e em frente à sua casa, mesmo havendo uma placa lembrando que é proibido parar no local.

Tiago diz que já perdeu a conta das discussões que teve com os motoristas dos coletivos, das vezes que ligou na SMT (Secretaria Municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade), na CMTC (Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos) e no 190 tentando resolver seu problema. Ele explica que não é o único com reclamações a respeito dos ônibus estacionados, mas todos os moradores da rua sofrem com o incômodo, além do fato ser perigoso e atrapalhar o trânsito.

Isso porque com a falta de espaço em um lado da via, os motoristas acabam estacionando os ônibus dos dois lados da rua, deixando apenas o corredor suficiente para passar um carro por vez. “Muitas vezes forma fila e o motorista tem que esperar cerca de 10 minutos sua vez de passar”, conta Tiago.

Silvio da Costa, 50 anos, tem uma oficina mecânica no local há 14 anos e lista ainda outras irregularidades que são frequentes. De acordo com ele, os ônibus muitas vezes são estacionados na contramão, em cima da faixa de pedestre ou próximo às esquinas, atrapalhando a visão de quem faz a conversão na rua e pode se acidentar se não tomar o devido cuidado.

Outro a reclamar é Sales Pereira, 51 anos, dono de um lava jato há seis anos na Rua 236. Ele explica que nos últimos tempos sua clientela tem diminuído, de acordo com ele, porque os clientes que passam pela rua não veem a fachada do empreendimento por causa dos ônibus parados em frente ao local.

Tiago lembra que o perigo não é somente relacionado ao trânsito de veículos, mas que os pedestres também sofrem ao tentar atravessar a rua e que à noite quem anda nas calçadas fica escondido atrás dos ônibus correndo o risco de ser assaltado ou sofrer outras violências.

Gilson Oliveira de Souza, 51 anos, é motorista de ônibus há pelo menos sete e estava dentro de um veículo estacionado nas proximidades do terminal da Praça da Bíblia. De acordo com ele, como os motoristas são proibidos de parar dentro dos terminais mais que 10 minutos e quando estão em horários de intervalo, procuram locais não sinalizados onde possam deixar os ônibus o mais próximo possível.

Para o motorista, uma forma de solucionar o problema na vizinhança é sinalizar as ruas forçando as empresas a tomar providências, como providenciar garagens ou estacionamentos específicos e sinalizados, e repassar novas diretrizes aos motoristas, sobre onde estacionar.

Em nota à reportagem, a Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC) informou que nos períodos de entrepico, quando há menos ônibus circulando nas linhas, alguns ficam estacionados dentro ou fora dos terminais. Ainda esclareceu que especificamente no caso do Terminal da Praça da Bíblia, em que não há local de estocagem dos veículos, a solução encontrada é estacionar nas vias próximas. Para tentar amenizar o problema, a companhia esclareceu que irá “encaminhar ofício às empresas de ônibus orientando o não estacionamento dos veículos nos dois lados da via.”

 

Fiscalização

A SMT também foi procurada pela reportagem e informou que iria enviar agentes ao local para fiscalização de possíveis irregularidades. Lembrou que na Rua 236 não existe regulamentação de proibição de estacionamento, com placas proibitivas, mas que autuará condutores estacionados irregularmente em fila dupla ou em esquinas, entre outras infrações previstas pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

De acordo com a secretaria, outra medida a ser tomada é a implantação de sinalização que proíbe o estacionamento em um dos lados da via. “A SMT informa que uma equipe de engenharia realizou visita técnica na Rua 236, no Setor Leste Universitário, e um projeto para proibição de estacionamento está sendo elaborado para um dos lados da via. A previsão é de que o projeto terá implantação até julho. Esclareceu também que o local foi incluído no cronograma de fiscalização da SMT.

 

 

 

 

Comentários